Caritas Arquidiocesana de Maringá - PR

Notícias

 

DIA 1º DE MAIO EM TEMPOS DE PANDEMIA

A- A A+

DIA 1º DE MAIO EM TEMPOS DE PANDEMIA

Como não pensar nos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil e do mundo, em tempos de pandemia? O cenário gerado pelo COVID 19 reúne uma série de fatores que nos fazem olhar para o tempo presente com outros olhos: milhões de pessoas contagiadas, milhares perderam a vida, inúmeras estão contaminadas, sem que se conheça esse número. O mundo entrou em reverso! Apesar da nossa aparente incompreensão sobre o transcorrer das coisas, uma certeza permanece, é preciso defender a vida e reinventar as formas do viver.

 

E como viver sem o trabalho? Seguir com a vida sem colocar como prioridade a sua continuidade, ignorar o primordial valor daqueles que trabalham, é algo impensável, porque, a força criativa que aproxima e transforma o homem e a natureza é o trabalho.

 

É preciso lembrar, historicamente o Primeiro de Maio está associado à defesa da causa operária, ao protesto, a luta e consciência de classe, bem como, a resistência às condições precárias de trabalho, emprego e renda. O episódio nos Estados Unidos da América que marcou essa data como um dia de mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras, se refere à greve dos operários que reivindicavam a redução da jornada e trabalho de 13 horas para 8 horas diárias. A palavra de ordem era “redução da jornada, sem redução do salário”. Nada mais inspirador para tempos de pandemia, uma vez que, no Brasil, centenas de trabalhadores formais vivenciam a cruel situação de terem seus salários brutalmente reduzidos, além da não garantia de seus empregos. De outra parte, trabalhadores informais, estão sujeitos a toda sorte de mazelas, por não terem previsibilidade de ganhos, nem de trabalho. Repete-se a pergunta: como viver sem trabalho?

 

O 1º de Maio nos leva a refletir sobre o lugar do trabalhador no mundo contemporâneo, na história e na transformação da realidade social, pois sem o trabalho, não existe vida. A frase em sentido contrário fica melhor: a vida se transforma quando se tem consciência do valor do trabalho que se realiza e, por isso, é preciso defendê-lo. A referência aqui não é individualista, pensemos no trabalhador de maneira grupal, como força coletiva que pode transformar a realidade social no mundo pós-pandemia. É necessário pensar-se como parte de um todo e projetar uma sociedade capaz de fundar uma outra economia, a partir de uma nova cultura, experimentando outras formas de sociabilidade. Afinal, a história do trabalho é indissociável da história dos povos.

 

Meire Mathias - Coordenadora da Escola de Cultura, Fé e Política, Cáritas Arquidiocesana de Maringá, Docente do Departamento de Ciências Sociais da UEM.

Galeria de Fotos

DIA 1º DE MAIO EM TEMPOS DE PANDEMIA

Galeria de Downloads

 Anexo

Artigos Relacionados

Localização

Rua Vereador Joaquim Pereira de Castro - 267

Cep: 87030-170 - MARINGA - PR


 caritasmga@gmail.com     (44) 3263-4887